Boltzmann
200px-Boltzmann_Ludwig_Dibner_coll_SIL14-B5-06a.jpg

(1844 — 1906)

Biografia

Em 1863 iniciou os seus estudos em física na universidade de Viena e em 1866 terminou o seu doutoramento na mesma universidade com uma tese sobre teoria cinética de gases sob a supervisão de Joseph Stefan. No ano seguinte foi nomeado docente nesta universidade e em 1869 professor na universidade de Graz. Em 1871 ele visitou Gustav Kirchhoff e Hermann von Helmholtz em Berlim.

Em 1872 ele conheceu Henriette von Aigentler em Graz, enquanto ela tentava ser admitida extra-oficialmente a assistir a aulas de matemática e física na Universidade de Graz numa época em que a entrada de mulheres não era permitida. Seguindo os conselhos de Boltzmann, ela finalmente conseguiu-o. Em 1873 ele voltou à Universidade de Viena, depois de aí ser nomeado professor de matemática, onde permaneceu até 1876. Boltzmann e Henriette casaram-se a 17 de Julho de 1876 e do seu casamento nasceram 3 filhas e 2 filhos. Em 1876 ele foi nomeado professor de física experimental na Universidade de Graz. Entre os seus alunos nesta universidade encontravam-se Svante Arrhenius e Walther Nernst. Em Graz Boltzmann viveu 12 anos felizes em que desenvolveu os seus conceitos estatísticos da natureza. Em 1885 ele é nomeado membro da Academia de Ciências imperial austríaca e em 1887 é eleito presidente da universidade de Graz.

Em 1890 ele foi nomeado como professor de física teórica na Universidade de Munique, mas em 1893 ele volta a Viena ao ser nomeado sucessor do seu orientador Joseph Stefan na cátedra de física teórica dessa universidade. Em Viena ele tem conflitos com alguns dos seus colegas, em particular com Ernst Mach que foi nomeado professor de filosofia e história das ciências desta universidade em 1895. Por isso em 1900 Boltzmann mudou-se para a universidade de Leipzig. No entanto em 1902 Mach reformou-se devido a problemas de saúde e Boltzmann volta a Viena. Nesta universidade ele teve como estudantes a Paul Ehrenfest e Lise Meitner. Em Viena, além de física, Boltzmann também ensinou filosofia e as suas aulas eram tão populares que apesar de as dar no maior auditório da universidade havia pessoas que não conseguiam lugar a dentro. Devido ao enorme sucesso destas aulas, Boltzmann foi convidado pelo imperaro a uma recepção no palácio.
Sepultura no Cemitério Central de Viena

Boltzmann sofria de enorme instabilidade emocional, alternando fases de depressão com outras de enorme excitação ou irritação e pensa-se que sofria muito provavelmente de distúrbio bipolar. Lise Meitner afirmou que as pessoas mais próximas dele conheciam os seus ataques de depressão profunda e as suas tentativas de suicídio. Em 5 de Setembro de 1906, enquanto passava as férias de Verão em Duino, próximo de Trieste, Boltzmann cometeu suicídio num ataque de depressão. Ele foi enterrado em Viena e na sua tumba está escrita a famosa equação da física estatística S = Kln Ω.

Interpretação estatística

Em 1877, visualizou um método probabilístico para medir a entropia de um determinado número de partículas de um gás ideal, na qual ele definiu entropia como proporcional ao logaritmo neperiano do número de microestados que um gás pode ocupar:

e56ff837161b7bb95a4c0da2d544cd5d.png

sendo S a entropia, k a constante de Boltzmann e Ω o número de microestados possíveis para o sistema.

Esta equação está gravada no seu túmulo.